quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Uma aura atordoante

És absolutamente incrível, linda e magnífica.

Mas consegues sê-lo ainda mais, quando fecho os olhos, e assim te vejo verdadeiramente; quando sinto a tua aura, e abruptamente, me atordoas com a tua energia; quando estou no conforto do teu, quente e seguro, abraço.

És absolutamente incrível, quando no meu pior me dás o teu melhor; quando no escuro és tu quem me dá luz, é tudo isto que em ti me seduz.


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

A simplicidade e a fuga

O meu maior erro foi pensar que me compreendias.

Mas como podia eu esperar isso se eu próprio não te compreendi a ti.

A vida é simples, ou pelo menos, devia ser. Nós é que a complicamos.

E se não é simples? O que é que fazes aí?

Foge a sete pés!


sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Fome esganada

Acho que nunca estive sozinho.
Os meus pensamentos estão sempre comigo.
Acompanham-me nesta espera sem fim, e sem saber qual a atitude correcta, vejo-me nesta viagem incompleta e nesta vida inquieta.


Mas preciso de ti!
Não me acompanhas também?


Que desejo esganado, faminto e insaciado!
Quero-te ao pé de mim, quero-te comigo, quero-te ao meu lado!
Para sempre, e no amor, um eterno esfomeado!



segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Não fujas

Vivo todo e qualquer momento, ao teu lado, como se fosse o último, como se sem ti a minha vida não perdurasse.
Não dou nada como adquirido, reconquisto-te todos os dias, olho para ti embevecido.


Nunca vais desistir pois não? Não o vais permitir sem qualquer razão?
Não renuncies a nossa ligação, não fujas desta relação.



Mas se fores, a sério, se fores leva-me contigo!



sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Ciclo vicioso

Tenta ser o melhor que consegues, tenta ser humilde, assertivo e uma ilustre pessoa.

Mas às vezes, vês-te num ciclo vicioso, num buraco sem fundo.
O pior acontece.
A dada altura parece que não há volta a dar e, sem saber, explodes.


Sentes-te envergonhado, sentes-te enganado, sentes-te mal tratado, parece um castigo.
Ninguém aguenta, toda a gente rebenta.


Será caso que não emanas outra luz?
Mereces carregar essa cruz?
Não mereces outra realidade?
Não mereces felicidade?


Tu mereces outra essência, uma estupenda vivência!
Começa aqui, e começa agora.
Começa com verdadeiro amor próprio!


Termina, destruindo essa caixa de pandora.
Termina, a fechar definitivamente essa porta.



quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Sem pressa

Muito sinceramente, ultimamente não tenho pressa, para quase nada.

Já viste alguma coisa bem feita e de pressa?


O amor acontece, é transparente e lento!



domingo, 11 de dezembro de 2016

Os amigos e a cumplicidade

- Somos amigos não somos?
- Eu e tu? Claro que sim, sempre fomos e sempre seremos!


Um beijo na cara, uma palmada no rabo, um abraço intenso, um beijo meloso, e assim para o desavergonhado.
É, simplesmente, o quão amigos somos, e temos sido, com toda a cumplicidade e intimidade que temos adquirido.


Construímos nesta amizade, um conforto, um castelo, algo belo, que não desvanece, que não desaparece, que se fortalece, a cada momento, a cada instante, em cada desejo, sempre que te vejo, e sempre que te beijo.

Somos tão bons amigos.


quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Quem manda?

- Achas que não mereço um filho?
- Não é uma questão de mereceres, é uma questão de que o útero é meu!



terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Momento relaxante

Há pouca coisa melhor que um bom vinho, um delicioso e crocante chocolate, uns tentadores frutos secos, mas que belo serão!

Esta fórmula existe e resulta para mim, costuma ser a única que preciso.

Minto, existes tu!


sábado, 3 de dezembro de 2016

Não quero desistir

Já perdi a conta aos dias que passaram e não te vi.
Perdi a conta aos inigualáveis momentos que contigo vivi.


Abdicar de algo divinal, envolvente, excepcional é simplesmente desumano, lancinante, demasiado excruciante.

Não aceito, não concordo, não abdico, não me resigno.



quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Um embate inesquecível

Se te procurasse nunca te encontraria.
Por isso de modo algum te vou procurar.
Mas, do fundo do meu coração, espero esbarrar-me contigo.
Será a melhor colisão frontal que, algum dia, poderei ter.



sábado, 26 de novembro de 2016

Conjuntura do ser

Existem três cenários possíveis entre dois seres humanos:
- Há entendimento sem quezílias.
- Existem altercações para resolver e há capacidade de compreensão com solução.
- Só existem momentos de exasperação e nunca haverá consenso mútuo e resolução.
É preciso perceber o que se quer, e dá trabalho.




——————//——————
Nota:
É bom que se entenda o que cada qual desperta em nós e como queremos passar o nosso tempo neste planeta. Não desperdicem segundos preciosos mal empregues.



quarta-feira, 23 de novembro de 2016

O apetite

- Apetece-me chocolate!
- Tenho em casa. Combinamos à mesma hora no mesmo sítio?



domingo, 20 de novembro de 2016

Sinto-me tão leve


Mas que peso que me saiu de cima.
Esta libertação, inigualável, nem mensurável, de felicidade, liberta-me tanta tensão que mais parece uma ascensão.

 
Comecei de novo, e comecei, só que agora sei o que não quero, o que não suporto, o que abomino e aquilo que realmente estimo.

E a ti, neste momento, estimo é que vás mesmo até ao fim, te ponhas a milhas daqui, e a anos luz de mim.




quinta-feira, 17 de novembro de 2016

O abalo e o brinde

A vida, eventualmente, tira-te tudo, abala-te abusivamente, quase que compulsivamente, e quando menos esperares, estremece-te o chão que pisas, faz-te pensar que não aguentas, faz-te duvidar de tudo, de ti, do mundo, acabas por ver só injustiças.

Mas se não desistires, se te mantiveres perseverante, hirte e firme, no chão que tanto abanou, e que tanto te testou; essa mesma vida... a tua vida: vai brindar-te, presentear-te com o melhor, com tudo que é teu por direito, com tudo o que mereces.

Acredita sempre, agarra-te à vida, não desistas, sê forte, sê resistente, jamais desistas!




segunda-feira, 14 de novembro de 2016

A repetição

Tu precisavas dos teus momentos.
Eu ansiava os meus.
Ambos não gerimos bem as minhas e as tuas dores, nem as nossas emoções, nem as nossas frustrações.


Eu dava tudo para nos repetir, para te possuir, para ser teu, por um segundo que fosse, por um instante finito, pela minha felicidade, e quem sabe, pela tua também.

Pensa nisso!


sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Fofo e puro

Quando estamos juntos, há tanta fofice, passamos o nosso tempo todo a rir, não paramos até ambos nos conseguirmos vir.

Gostamos de sexo tântrico... mas na realidade estamos mais no intenso, no físico, no possante, no profundo, com orgasmos múltiplos à mistura, com tremores nas pernas e uma desmedida loucura, acima de tudo, algo puro e com uma gigantesca ternura.





quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Que recordação

Hoje acordei e pensei em ti.
Recordas-te do dia em que nos vamos apaixonar?
Conto os dias até lá chegar.




terça-feira, 8 de novembro de 2016

O pedido

Eras tu quem eu queria, quem eu adorava. Porque era inocente? Porque não sabia?

Sofri durante anos, procurei-te todos os dias, mas nada fazia sentido, nada era o que eu queria.

Falta-me assim tanta transparência? Falta-me assim tanta coerência?

Vivi para me explorares, para te satisfazer, para te enaltecer.

Só te pedi que fosses a minha paixão, o meu amor, a minha salvação.



domingo, 6 de novembro de 2016

A dádiva

Deste-me o melhor presente de todos: a capacidade de me apaixonar (sim, porque só isso, em si, é uma ciência a sua própria existência), a capacidade de sentir emoções tão complexas e extraordinárias, como dolorosas, inexplicáveis, inconsequentes e involuntárias.

Por isso te agradeço, te enalteço, te vanglorio, porque esta será, sem qualquer sombra de dúvida, a chave do meu coração, o futuro da minha criação.



quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Um vulcão em erupção

Não sou perfeito, nem espero sê-lo, mas quem o é afinal?
Dizes-me que sou bruto, pouco sensível. Sinto-me é incompreendido e que tudo o que sou não é efectivamente entendido.

 
Como podes tu dizer isso?

Logo a seguir, e com a espontaneidade que tanto adoro, mostro-me apaixonado, agarro-te em qualquer lado (amo quando tu o deixas e nem sequer questionas), na loucura do momento, ambos sabemos: sou um cabrão, mas vou dar-te toda a minha paixão.
 
Até porque tu e a tua interminável tesão, deixam-me completamente atordoado, parece que acabei de levar um abanão.
Se não te rasguei a roupa toda logo ali, pouco faltou, as tuas cuecas, nem as vi, mas dali já algo voou.

 
Pingamos por todo o lado, um em cima do outro, os gemidos não param, parece que vou rebentar, e tu pareces um vulcão!
A temperatura? É a mais extrema erupção!

 
Eu já nem sei quanto tempo passou, mas o teu sorriso de satisfação já me alegrou.  


terça-feira, 1 de novembro de 2016

Fim da linha

Se servi para aprenderes alguma coisa, talvez não tenha sido assim tão mau.
Tu ensinaste-me, e muito, nem imaginas. Foi cá um sarau.

Desaparece, a sério, ontem já era tarde, hoje até já tenho medo, e de amanhã em diante, não te espero ver tão cedo.



domingo, 30 de outubro de 2016

Sofrer e viver

Ainda assim prefiro sofrer!

Prefiro sofrer porque, sem o teu toque, sem o teu beijo, sem o teu cheiro, sem o teu amor ou gracejo, não sabia o que é um coração palpitante, aquela falta de ar sufocante, um voraz afagar de emoções exuberante.

Juntos nutrimos tanta força, entusiasmo, paixão e saudade. Ai a saudade...

Quem nunca sofreu, ainda nem sequer viveu!

 


quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Uma companheira a sério

Dou-te todo o valor.

Tu! Como mulher, que proteges o teu homem, que preservas o teu amigo e companheiro, não tens preço, não crias dúvidas, não mereces mais nada que não seja amor.

Tu! Mulher que investes na tua cara metade, que nada impedes, que nada comprometes, és e serás sempre alguém, que inequivocamente, tudo merece; és um ser raro, com todo o mérito, digno de todo o amor.

Eu? Eu dou-te todo o valor!

 


quarta-feira, 26 de outubro de 2016

O impedimento

Divides amor em dois, separas, subtrais e retrais tudo o que só devia existir em uníssono.

Impedes a saída ou manifestação da consciência íntima que nos faz viver esta paixão.

Mas que raio de sentimento é esse? Mas que te passa pela cabeça num momento em que tens tudo aos teus pés e nada te chega? Nada te serve?

Das nozes que tiveste os dentes perdeste, da água que bebeste, do prato que comeste, com tudo ardeste!

 


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A verdade da mentira

Adoro quando me mentes!
Porque sei que até a ti te enganas.


Amei quem não devia. Amei quem não me queria. Não houve paz, não houve descanso.

Adoro quando me mentes!
Porque agora já não me enganas.


 

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Sem dó nem piedade

Ainda bem que gostas de abusar de mim.
O teu abuso é definitivamente e explicitamente empolgante, fervoroso, emocionante, impetuoso.

 
Enquanto o fizeres, eu aproveito, deleito-me no que me fazes, no que me tornas naquele exacto instante, naquele momento perfeito.

Mas abusa, não te prendas, não te retraias, abusa mesmo, não me largues, não me dês descanso.

Em parcas palavras: arrebata-me veemente, com violência, sem qualquer tipo de pudor ou prudência.

 


terça-feira, 18 de outubro de 2016

Nunca digas nunca

Nunca te quis magoar e tu dizes que te magoei.

Nunca te quis a sofrer e tu sofreste.

Nunca te quis enganar e tu pensas que te enganei.

Nunca te quis ver chorar e tu choraste.
 
Nunca te quis mentir e tu julgas que te menti.

Nunca te quis maltratar mas maltratei-te.
 
Nunca te quis limitar e parece que te limitei.
 
Nunca te quis perder mas, mesmo assim, a vida impôs-me perder-te.

 


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Crescer e amadurecer

Somos o espelho de tudo o que vivemos, de tudo o que sofremos, de todas as experiências falhadas, e claro, das alegrias também (mas essas não interessam a ninguém, não nos ensinam nada).

Se esses desaires todos nos tornam mais fortes, e com a maturidade que tanto procuramos, porque não passamos a vida a querer falhar? Ou simplesmente a falhar propositadamente?

 Eu falho, e orgulho-me disso.


 

sábado, 15 de outubro de 2016

Um sentimento que se perpétua

Perpétuo o primeiro beijo que te dei, e no momento em que ainda suspirávamos, te agarrei firmemente e assim te penetrei.

Cada orgasmo, cada clímax, um atrás do outro cada vez mais intenso e fugaz! Uma experiência sensorial capaz de me acordar e que teima em me assombrar.

Recordo-me como se fosse ontem. Como se, a minha vida, disso dependesse e do fim do mundo se tratasse, como se sem isso não respirasse.


Meu deus, terá mesmo sido ontem? Será que foi hoje?
Será este o sonho que anseio, que vivo na minha mente e que se mantém permanente?




quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Para ti e por nós

Não renunciei a nada, não te desamparei, se o tivesse feito, se tivesse desistido, não estaria aqui, agora e para sempre!

Se não me abandonares, eu nunca te deixarei, aqui estarei e aqui ficarei, para ti, por nós, eternamente!

Acreditas?


segunda-feira, 10 de outubro de 2016

A receita

Mas que grande enferma que me saíste, podias e devias ser assim, doente e com uma dose de loucura até, mas por amor, por nós, por tudo aquilo que somos e fomos até aqui.

Posologia (para ti, para mim e para todos): amor às fatias, à tarde, à noite, de manhã, em cima da bancada, no quarto, no carro, na praia, no WC, em cima da mesa, por baixo da cama ... Enfim; isso e mais, em doses cavalares!

Onde é que pedimos esta receita? É para seguir à risca.

 


sábado, 8 de outubro de 2016

O noivo

- Quando eu me casar, caso-me ali, naquele hotel, ali sinto que poderei amar, ali sei que vou conseguir voar.
- Vais-me convidar?
- Tu és o noivo!

 

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Vidas passadas

Se tudo estava tão errado, porque é que parecia tão certo?
Se tudo estava tão trocado, porque é que parecia tão exacto, tão correcto?


Senti que te conhecia há tanto tempo, neste mundo e em qualquer outro, nesta vida e na anterior. Parecia que fazias parte de tudo o que eu sabia, de tudo o que eu vivia.


Mas afinal estava tudo tão desligado, tão instável, tão desconexo, tão desagradável.
Trouxemos isto tudo do passado?
Nada, mas absolutamente nada ficou tratado, nada ficou resolvido.


Hoje, não nos vemos, nem sequer falamos, não comunicamos, só nos odiamos.

 



domingo, 2 de outubro de 2016

Usa e abusa

Já percebi que estás a usar-me.
Ontem usaste-me três vezes de seguida.
E agora já está na hora de me usares a quarta vez.


 


sexta-feira, 30 de setembro de 2016

O valor que dás

O meu amor é e será incondicional, mas a tua presença na minha vida não é.

Portanto, assim que me provares que o valor que dás a isso não está à altura da minha auto-estima, vou amar incondicionalmente a tua memória e seguir em frente.

 




terça-feira, 27 de setembro de 2016

Uma certa coerência

Sê consistente, sê coerente. Se mentes, mente sempre, se enganas, engana sempre.

Agora se amas, ama eternamente!

Aqui sim, sê interminável, sê constante, sê incessante, sê permanente, mas nunca, nunca sejas incoerente!

 




sábado, 24 de setembro de 2016

O passado e o perdão

Às vezes penso no filho que íamos ter.
Nos planos que fizemos.
Na vida que queríamos. Na felicidade que tínhamos.


Travamos tantas lutas, mas tantas lutas ... Braços de ferro intermináveis, casmurrices infindáveis.

Dava tudo para ter a tua compreensão, para estar no teu coração.
 
Perdoa-me!
Perdoa-te. Liberta-nos!


 


A verdade da mentira

- A sério, diz-me que sou extraordinário, maravilhoso...
- Queres que te minta?






quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A frieza e a dor


Como é possível que não consigas ver, que não consigas sequer perceber, que transpiras frieza, mágoa, dor ... Não mereço, não me conformo, não te admito.

Um abraço, um toque teu, um carinho, a tua afeição, serei assim tão cabrão?

Bastava um "desculpa", um "tens razão". Mas nunca tive a tua compreensão, assertividade ou atenção.


——————//——————
Nota para o próprio:
Casais que pedem desculpa, que dizem "gosto de ti", "amo-te", que se ouvem mutuamente, têm relações mais duradouras e felizes.


 



sábado, 17 de setembro de 2016

Obrigas-me ao melhor de mim

Amo-te com tudo, absolutamente tudo o que tenho e o que hei-de vir a ter também.

Amo-te porque sim, porque me completas, porque me inquietas, porque me inspiras, porque me instigas: a mais, ao incrível, ao interessante, ao que realmente é importante.
Obrigas-me, puro e simplesmente, ao melhor de mim.



Agora tu, não sejas parva, ama-me também!

 




quarta-feira, 14 de setembro de 2016

O dia do encontro

Um dia vou encontrar-te, e aí digo-te: já te amava e ainda não te conhecia, esperei por ti e não sabia que te queria.

Desejo-te aqui, já, assim, tal e qual como és.

 




domingo, 11 de setembro de 2016

A prisão

Se amar é isto, não me ames.
Liberta-me da prisão que nos envolve, da dor que nos consome.

 
Dá-me o que, puro e simplesmente, te recusas a dar-me.

 
Oferece-me o teu melhor, mas porque queres, porque assim o sentes e retribuis.
Os teus bloqueios, que tu preferes não ultrapassar, são as minhas dores, os meus receios.

 
Tentei sempre ajudar-te, ser o que precisavas, neste, naquele e em qualquer outro momento.
Mas senti sempre que não estavas aqui, que não vivias comigo, que não me querias contigo.

 
Amar não é isto, amor não tem só um caminho, ou só um sentido.
Amar não é isto, talvez nunca chegue sequer a saber, mas amar não é isto.


 


sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Somos um ser especial e tão brutal

Somos um ser ímpar, um ser especial, na maravilha do extremo individual. Tão fantásticos, somos um ser brutal, cada um à sua maneira tão actual.

Triste é não o sabermos, não o reconhecermos, nem o encontrarmos.
Somos perfeitos na imperfeição, imperfeitos na essência da nossa criação.

Mas mesmo triste, é passarmos a vida sem que cada um descubra o que nos difere, o que nos torna excepcionais, extraordinários, incomparáveis.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Quero-te lá ou aqui?

Se estás cá, não te quero.
Se estás lá, quero-te aqui.

 
Tens uma atitude repugnável.
Mas tornas a vida suportável.




segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Deambular no mundo


Que frieza incessante, que vazio constante.
Desprovida de calor ou sentimento deambulas no meu mundo, perdida e no fundo.


Não me disseste que nada tinhas em ti passível de salvar, ou energia positiva para dar.
Tanta mágoa, tanta dor, tanta chama apagada, tanta falta de fulgor.



Tínhamos tanto para viver, tínhamos tanto para ser. Nós tínhamos tudo.
E tudo nos tiraste, a tudo nos privaste!




sexta-feira, 2 de setembro de 2016

O pedestal


Se soubesses o que anseio por chegar a casa e encontrar-te.
Abrir a porta e abraçar-te, como no dia que te vi, como no dia que te conheci.

Nada me faz passar hora após hora, dia após dia, momentos impossíveis, pessoas difíceis, como saber que te vou ter nos meus braços, que te tenho na minha vida, que te tenho ao meu lado.

Mas tu estás cansada, estafada, pouco ou nada disponível.
Extremamente insensível, um comportamento imprevisível, estás num pedestal incrível.




terça-feira, 30 de agosto de 2016

A saudade

Tenho tantas saudades tuas que dói.
Dói pela forma que nos tocávamos. Dói pela intensidade que nos amávamos.


Cada dia que passa, sem me cruzar com o teu olhar, torna-se difícil de superar.
Esta dor sufocante deixa-me completamente ambulante. 

Sem perceber, pergunto-me: "como é que aqui cheguei?"...


Se nos amámos porquê que agora nos odiamos?
Odeio-te, desejo-te... Nem sei como pôr isto no papel...

 
Mas odeio-te por tudo o que não fizeste, por tudo o que não me deste, por tudo o que não me vais dar e por todo o ser que não serás para mim. Simplesmente porque não quiseste!

E porque decidiste não ser o melhor de ti, eu sei, que quem hoje és, nunca me amou, nem me acarinhou, nunca me quis, nem me elevou!
Não deste qualquer valor à pessoa que, para ti, fui e a tudo o que, para ti, fiz.

 
Sozinho lutei, sozinho fracassei, sozinho vi o que não queria, senti o que não devia, amar dói mas isto dói mais.
 
Tenho tantas saudades tuas.




segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Agressividade passiva, violenta e cirúrgica

Não te dou mais o gostinho de me tratares com desprezo.
Com aquele desdém mesquinho. Com essa agressividade passiva, violenta e cirúrgica.


Manténs uma atitude fria e calculista levas-me a um estado ignóbil, estático, crias-me ansiedade, uma inquietude constante...

És uma estúpida, nem para ti és boa. Não sabes o que queres. Não sabes o que preferes.

No fim do dia, todos sabemos, cresceste assim, e se calhar não tens culpa, mas também nunca foste muito astuta.

Parece-me que cais mais para o lado do burro, do intragável, do nada apetecível!




sábado, 27 de agosto de 2016

Aquela mulher e mais nenhuma

Ainda hoje quero encontrar a mulher por quem me apaixonei.
Aquela que me deu carinho e me deu ternura com fartura.


Não quero a mulher quebrada pelo desgosto do que viveu e daquilo que nada fiz eu.
Procuro a mulher que me abraçou, que me fez acreditar que a vida ainda agora começou.

 
Mas afinal o que foi que nos aproximou? Tu sabes onde tudo começou?
Quero aquela mulher, aquela e mais nenhuma, a que me acarinhou, beijou, a que me amou!